segunda-feira, dezembro 26, 2005

As Rolas


São apenas duas Rolas, juntas, e olhando a rua vazia de trauseuntes. O cinzento do céu e o tronco despido de folhas indica-nos a época.

Não sabem, que o registo deste momento só foi possível porque a tecnologia nos disponibiliza meios rápidos de registo e publicação.

Não verão, nunca, a imagem que estará disponível para milhões de internautas.

Mas o que eu vi, e aqui quero repartir, é apenas uma simples manifestação da Mãe Natureza. Sem tecnologia. Sem sofisticação alguma.

Numa sociedade conflituosa, indecisa, e tantas vezes perdida, existem momentos de rara beleza.

São apenas duas ROLAS, num dia invernoso, numa cidade qualquer.

|


quinta-feira, dezembro 22, 2005

O RIO. Mais uma vez e mais uma

A actual vereação da CMP é uma fonte inesgotavel de casos,que se não fossem sérios, dariam um volumoso livro de anedotas.

Na passada semana em reunião de Câmara, a mesma deliberou, num acto magnânimo, atribuir um novo nome á topominia da cidade. "Porto Feliz" é o nome escolhido. Supõe-se que Rio se deve ter oposto tenazmente à atribuição deste nome já que o mesmo representa o "espantoso???!!!!!" programa que a CMP promoveu para afastar os toxidependentes das ruas e outras minudências.Os resultados, conhecem-se, raiam o ridiculo. Mas, senhores tal como Rio disse após a ultima vitoria, agora é tempo de fazer. Não percamos tempo com a oposição. Deixem-nos trabalhar. Se não nos promovem, façamo-lo nós. Pois, democracia é assim mesmo, deram-nos o poder, exerçamo-lo.

No final do periodo lectivo e perto da quadra Natalícia, a CMP, começou a enviar para as escolas do Concelho um dicionário ilustrado. Bem, parece-me bem. Não fosse dar-se o caso de, o dito dicionário não estar completo. Apenas entregaram os volumes correspondentes ás letras de A a N. Estranhado o caso, algumas escolas contactaram a CMP e espanto dos espantos, eis que lhes dizem que a oferta foi feita pelo Jornal de Noticias (eram sobras de uma promoção), e que a CMP não tinha qualquer responsabilidade na oferta.

Se não tinha qualquer responsabilidade com a oferta e, nem queria ter, deveria ter referido o caso aquando da oferta. Não o fez.

Se achava que a oferta deveria ser completada, porque era útil e o seu custo risivel, deveria ter feito o esforço junto do JN. Não o fez.

Então que raio fez a CMP ??????? Nada. Resumiu-se a fazer de correio, esperando que as escolas agredecessem a oferta e não tornassem público a mesquinhez cultural e o chico-espertismo politico. Felizmente o caso soube-se. Infelizmente este caso aconteceu.

E assim vai a CMP e a cidade. Só mais uma coisa, Obras ? onde estão ? continuamos á espera.

|


terça-feira, dezembro 13, 2005

As Presidenciais

Mesmo estando longe do acto eleitoral, a temática das Presidenciais está na ordem do dia.

Recordo que há umas semanas atrás, deixei ficar neste sitio a minha modesta opinião sobre este acto, e considerei que estava farto, desiludido e que finalmente votaria no vocalista nos Ena Pá 2000.

Pois bem, volto ao tema. Mudei de opinião.

Tenho assistido aos debates e entrevistas que os diferentes candidatos protagonizaram durante estas ultmas semanas. Confesso que algumas delas me deram uma sonolência, verdadeiramente democrática, mas o facto é que ultimamente um candidato se tem afirmado pela positiva e pela forma como cria embaraços aos seus adversários- Francisco Louçã. O homem, que tem aquele ar de seminarista franciscano, tem uma virtude; sabe como poucos, utilizar os meios de comunicação, usa com muito propósito o palco para expôr com clareza o que pensa e porque pensa dessa forma.

O debate (monologo) com Cavaco, foi a prova de fogo para me fazer decidir. Apesar da atitude agressiva do Miguel Sousa Tavares para com Louçã (MST, não gosta de Louçã )e da forma malcriada como Cavaco se posicionou, perante o seu adversário, Louçã manteve sempre uma grande elevação e marcou sempre com clareza a diferença entre ele e a candidatura de Cavaco.

Mesmo no seu terreno preferido, a economia, Cavaco foi contrariado, corrigido e ultrapassado pelo "deputado Louçã" , como acintosamente passou o debate a chamar ao seu oponente. Cavaco, claramente é um erro de casting politico. Não digo que não seja competente na sua area profissional mas, a politica exige uma capacidade que ele definitivamente não tem, a Oratoria. A forma com enfrenta as perguntas é de alguém que não esta habituado a ser contrariado, a sua postura é arrogante, o seu olhar distante e enfastiado. E sinceramente uma coisa eu constato, o homem é mesmo FEIO.

Pouco me importa que a esquerda esteja dividida. É salutar saber que de uma mesma area, existem diferentes opiniões. Pouco me importa que o Louçã, não passe á segunda volta. Não estando em risco, nenhum valor fundamental, o que me importa é que vou votar em alguém que tem um pensamento fresco e que procura ir de encontro aos anseios de muita gente que não se revê na petulância de Cavaco, no passadismo de Soares, no romantismo de Alegre e no voluntarismo de Jerónimo.

Apesar das sondagens dizerem que os debates não mudam a opinião dos eleitores, eu sou do contra e aqui digo, A MINHA MUDOU, e se a minha mudou outras podem mudar.

|