domingo, março 06, 2005

Entre-os-Rios, 4 Anos Depois

No passado dia 4 de Março passaram 4 anos sobre a tragédia da queda da ponte Hintze Ribeiro em Entre-os-Rios (Castelo de Paiva). Cerca de 60 pessoas morreram e os corpos da maioria das vítimas nunca chegaram a ser recuperados. Todos conhecem os factos.

Quatro anos depois da tragédia ainda não se fez um julgamento dos eventuais responsáveis e, a continuar assim, a culpa morrerá mais uma vez solteira. O Tribunal de Primeira Instância foi inconclusivo e o juiz considerou não haver provas para responsabilizar quem quer que seja. Seguiu-se recurso para o Supremo, mas a data do julgamento continua por marcar, entretanto pelo menos um dos arguidos já morreu.

Não nos move nenhum sentimento persecutório, mas simplesmente um sentimento da mais elementar justiça que possibilite, com rapidez, julgar e condenar os responsáveis por este acto de negligência, sejam eles quem forem. Nós não podemos ficar calados.

Curiosamente nestes últimos anos passaram-se, a nível da Justiça, vários casos mediáticos e que envolveram figuram públicas. Desde o Caso Moderna, passando pelos casos Isaltino Morais, Fátima Felgueiras e Casa Pia, entre outros, a Justiça pariu um rato ou prepara-se para que tal volte a acontecer.

Apesar da separação de poderes, ou melhor, por causa da separação de poderes, os deputados não podem alhear-se da Justiça, porque são aqueles (Poder Legislativo) e o Governo (Poder Executivo) que dotam o Poder Judicial dos meios e mecanismos necessários para que a Justiça se faça de forma transparente e célere. Curiosamente durante a última campanha eleitoral não me lembro de ouvir uma palavra, a quem quer que fosse, sobre a Justiça e quais as suas propostas para a reforma do Poder Judicial. Será que há por aí muitos rabos de palha?

E os cidadãos o que fazem?

Quanto a mim os cidadãos exigiram nas últimas eleições uma alteração clara das práticas e políticas e não apenas uma simples mudança de Governo.

Continuemos pois atentos, exigentes e vigilantes.

2 Comments:

Blogger Mariana Pereira da Costa said...

Não é pelos casos mediáticos que se pode julgar a Justiça. O nosso sistema judicial padece de muitos males e precisa de uma reforma estrutural que dote os seus operadores de meios eficazes, mas as coisas não cairam num ponto a partir do qual não há retorno.

3/06/2005 7:43 da tarde  
Blogger Werewolf said...

Concerteza, concordo em absoluto, se me refiro aos casos mais mediáticos é porque foram eles que permitiram que o colectivo do povo português tivesse, finalmente, consciência, da má Justiça que temos.

3/06/2005 10:36 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

|