sábado, julho 09, 2005

A Mais Bela Homenagem

No passado sábado eu e a minha companheira resolvemos ir comer um peixinho grelhado a Viana do Castelo.

A minha filha mais nova, que tem cinco anos, quase seis, perguntou se íamos a pé. Lá lhe explicamos, pacientemente, que Viana ficava a uma distância que não nos permitia uma ida a pé. Esta insistência pelos passeios a pé é um fenómeno que a acompanha desde os primeiros passos, lembro que nessa altura já era castigo pegar nela ao colo e, ao contrário do que conheço de outros pais, e até de outros filhos, quando fazia qualquer birrinha era frequente, eu ou a mãe, dizermos: Se te portas mal vais ao colo. É verdade, há pais com sorte.

Lá partimos, nós à frente conversando de tudo e de nada, curtindo a manhã quente a apelar para um passeio pausado e conversa trivial, que a moleza do calor não dava para mais, enquanto a trás a criança cantava, falava, interrompia, chamava à atenção para isto ou para aquilo. Ao fim de cinco minutos já perguntava se estavamos a chegar, pergunta que se repetia de 3 em 3 minutos.

De repente, e após um breve e raro período de silêncio, de trás soaram estas palavras bem ritmadas:

Não quero, não quero, não,
ser soldado nem capitão.

Quero um cavalo só meu,
seja baio ou alazão,
sentir o vento na cara,
sentir a rédea na mão.

Não quero, não quero, não,
ser soldado nem capitão.

Não quero muito do mundo:
quero saber-lhe a razão,
sentir-me dono de mim,
ao rsto dizer que não.

Não quero, não quero, não,
ser soldado nem capitão.


Estupefacto interroguei-me, como é que ela sabia aquele tão simples e belo poema?

Afinal a explicação era simples e não tinha nada de transcendente. Temos o hábito de lhe ler habitualmente todas as noites quando vai para a cama (mais a mãe do que eu) alguns contos, a mãe tinha-lhe lido, em algumas noites anteriores, um livro de poemas de Eugénio de Andrade dedicados ao seu filho Miguel.

Não conseguia alcançar a profundidade daquelas palavras ritmadas e aparentemente simples, mas a mensagem foi suficientemente forte para facilmente ter fixado e, num repente, ter sentido necessidade de as reproduzir, Não é capaz, julgo, de medir ainda a profundidade de poema tão simples, mas a marca ficou, por isso a liberdade também passou por alí naquele momento e, tenho a certeza, a marca vai ficar e expandir-se com a maturidade.

Que mais bela e anónima homenagem podia ter recebido Eugénio de Andrade?

1 Comments:

Blogger Guida Alves said...

Que maravilha!...;)

7/09/2005 11:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

|